História das Mídias PDF Imprimir E-mail
Qua, 11 de Abril de 2012 00:00

1900 - Surge o Telégrafo

1918 - 1ª Guerra Mundial

1920 - Populariza-se o Rádio

1939 - 2ª Guerra Mundial

1950 - Populariza-se a Televisão

1980 - Populariza-se o Celular

1990 - Surge a Internet

!997 - Sixdegrees

2000 - Redes Sociais

 

A ideia das mídias nasceu com a vontade de presentificar a ausência, ou seja, tornar presente algo que não está presente de fato. O telégrafo, em 1900, foi o primeiro a fazer uma transmissão ao vivo (com um pequeno delay). Foi o princípio da comunicação a distância, utilizando uma rede tecnológica. Porém, os códigos utilizados eram de difiícil entendimento, os aparelhos eram caros e difíceis de serem manipulados.

 

Depois, com o aperfeiçoamento desta tecnologia, veio o rádio telégrafo, que não precisava de cabos. Esse instrumento foi utilizado principalmente pelos exércitos nos campos de batalha durante a 1ª Guerra Mundial. Ao término da guerra, para desencalhar os rádios produzidos para os militares, começaram a vendê-los nas lojas, popularizando essa mídia.

 

Em 1925 já existiam experimentos com a Televisão. Durante a 2ª Guerra Mundial, a Alemanha e os EUA foram os únicos países que não interromperam as transmissões de TV. Na Alemanha, pelo contrário, ela ajudou na divulgação da ideologia nazista. Com o término da guerra, em 1950, a TV volta com tudo e torna-se popular. O Brasil é o pioneiro, depois dos EUA e Europa.

 

Em 1960 e 70, as Copas já eram transmitidas pela Televisão, o que criou uma sensação de pertencimento global. Mc Luhan vai chamar esse fenômeno gerado pela TV de "Aldeia Global". Ele, que escreveu suas teorias antes da Internet, já previa uma rede interconectada pelos mesmos símbolos. Mc Luhan também disse que "o meio é a mensagem", ou seja, a TV é a própria mensagem e ela própria muda o comportamento da sociedade: "os homens criam os meios; os meios recriam os homens".

 

Neste período, a sociedade estava vivendo a Industrialização. A comunicação gerada pela TV era de massa, ou seja, de um emissor para inúmeros receptores. Para tanto, a linguagem tinha que ser padronizada. Adorno chama isso de "indústria cultural", que é o impacto da industrialização na comunicação e na cultura.

 

Na década de 80, o Celular começa a se popularizar. Com ele, além da comunicação a distância, temos a mobilidade e liberdade de poder se comunicar sem ter que ir a um lugar específico para poder transmitir a mensagem. O rádio a pilha, na década de 70, também trouxe essa mobilidade.

 

A Internet, assim como outras mídias, também teve origem militar. Ela foi inventada para ser um sistema de segurança do Pentágono em caso de ataques com bombas. A ideia era simplesmente não armazenar os arquivos no prédio, criando uma rede que, em caso de uma guerra, os computadores tivessem acesso as informações. Essa rede descentralizada ganhou o nome de ARPANET.

 

Com a Guerra Fria, a corrida armamentista e tecnológia, a internet foi implementada nas universidades estadunidenses. Porém, era utilizada basicamente para transmissão de arquivos via FTP. Em 1990, num centro militar nos EUA, surge o WWW (World Wide Web), que padronizava a comunicação e conexão num modelo de ID, identidade da máquina. Com isso, todos podiam falar a mesma língua. A Internet passa a ser usada comercialmente.

 

No Brasil, o uso comercial foi liberado em 1995. Todos os domínios tinham que ser registrados por uma instituição de ensino superior. Os sites eram cartões de visita, com nome e endereço apenas. Hoje, isso é ridículo.

 

Na Internet, surgiram os bate-papos, uma forma de comunicação em tempo real. O 1º e mais popular foi o MIRC, onde o usuário entrava com um nickname em cada login. Depois, surgiu o ICQ, onde as pessoas podiam criar um perfil (baseado em números infindáveis). O fato de criar uma identidade virtual muda tudo nas mídias, pois os usuários começam a montar redes e se relacionarem.

 

O SIXDEGREES, a primeira rede social, era totalmente cru e acadêmica. Ela, que surgiu em 1997, era um teste da Teoria dos 6 Graus de Separação, de Staley. Para entrar nessa rede é preciso ser indicado por alguém. Amigos dos seus amigos são indicados para serem seus amigos também. Porém, essa rede não ficou popular e, por isso, não serviu para a pesquisa.

 

A rede que popularizou as redes sociais foi o Friendster, que também ficou conhecido como os Fakester, pois para ter amigos, as pessoas começaram a criar fakes. Em 2003, com a repaginada, eliminaram os perfis fakes. Esse ato ficou conhecido como genocídio fakester. Com isso, muita gente migrou para o My Space, Orkut, Facebook e Twitter.

 

O Orkut foi quem apresentou as redes sociais para o Brasil. Foi nossa primeira vez nas redes sociais. A primeira vez a gente nunca esquece. De 2004 a 2006 foi a febre das redes sociais. A partir de 2007 começaram as redes direcionadas.

 

O sucesso de uma rede social é baseado nas pessoas que estão nas redes. As redes não produzem nada. Os usuários produzem.